top of page

BRASIL CAI 10 POSIÇÕES EM RANKING DE PERCEPÇÃO DE CORRUPÇÃO

O Brasil perdeu 2 pontos no índice de percepção da corrupção (IPC) no ano de 2023 e caiu 10 posições no ranking, apontam dados da Transparência Internacional (TI). Com 36 pontos, o Brasil ficou na 104ª colocação entre os 180 avaliados e ficou atrás de nações como Argentina, Belarus, Etiópia e Zâmbia.


Foi a primeira queda do país no índice após 5 anos. Os 36 pontos alcançados em 2023 colocam o Brasil abaixo da média global do índice (43 pontos), da média para as Américas (43 pontos) e da média dos BRICS (40 pontos) — e ainda mais distante da média dos países do G20 (53 pontos) e da OCDE (66 pontos).


Segundo a Transparência Internacional, o país “falhou em recuperar essenciais para enfrentar a corrupção”, pois o governo do ex-Presidente da República, de 2019 a 2022, “deixaram a lição de como, em poucos anos, podem ser destruídos os marcos legais e institucionais anticorrupção que o país levou décadas para construir”.


A ONG diz que o primeiro ano do novo governo “deixa a lição de como é (e ainda será) desafiadora a reconstrução”. “De modo geral, o novo governo vem falhando na reconstrução dos mecanismos de controle da corrupção e, junto deles, do sistema de freios e contrapesos democráticos”.


Em nota, a Controladoria-Geral da União (CGU) disse que “trabalha diariamente para identificar e corrigir riscos de corrupção em políticas públicas, contratações e outras ações do Estado”. O órgão de controle afirmou que, ao divulgar o índice, a Transparência Internacional “reconheceu importantes avanços no âmbito do controle social, da transparência e do acesso à informação”.


Mas, ponderou também que “estudos internacionais discutem as limitações metodológicas de índices baseados em percepção, por isso seus resultados devem ser vistos com cautela”.

Posts recentes

Ver tudo

Como um Joint Venture pode ajudar sua empresa?

Se você é um empreendedor ou empresário buscando maneiras de expandir seu negócio, aumentar sua competitividade ou explorar novos mercados, uma joint venture pode ser a solução ideal. Mas o que exatam

Comments


bottom of page